Não foi possível carregar o Diqus. Se você é o moderador, por favor veja o nosso guia de problemas.

Marcia Oliveira • 2 anos atrás

Sadismo e cinismo num pais que vive o fascismo.

GFS • 2 anos atrás

Bom dia, Márcia, tudo isso que tu disseste rima com uma palavra - golpismo.
Bem que disse o meu pai uma vez: a justiça é uma teia de aranha onde os insetos ficam presos, enquanto os pássaros escapam impunemente (especialmente os tucanos, adendo meu).

Marcia Oliveira • 2 anos atrás

Bom dia, GFS. Nada justifica essa prisão feita dentro de um hospital. A esposa de Mantega está sendo operada de um câncer e só quem já passou perto por essa doença, como eu (minha mãe e meu marido morreram de cancer) sabe a dimensão do sofrimento dos familiares.
Não sei, sinceramente, aonde vai parar o sadismo dessa gente.

Regina Maria • 2 anos atrás

Acho que nem Mussolini imaginaria um fascismo como esse.

Luiz Baptista • 2 anos atrás

Tenho convicção que ficaria envergonhado.

Luiz Antonio Barbosa • 2 anos atrás

Prender o Mantega num hospital é fácil, nem vou escrever sobre o lado desumano, vou fazer é um desafio: quero ver prender o Cunha ou sua esposa nos aeroportos por onde transita livremente sendo assediado pelos fãs - somos milhões de Cunhas.

Dilbert • 2 anos atrás

Não vem ao caso, by cretino by Mendes...

Querida S2 • 2 anos atrás

E que venha um greve geral...

Nara • 2 anos atrás

Tudo indica que vem mesmo!

Luiz Baptista • 2 anos atrás

Chega - seu juiz de merda.
Louquinho pra botar fogo no país, após destroçar a democracia.
Boçal, servil, irresponsável filho de uma puta.

Pedro Lemus • 2 anos atrás

sadismo doentio, a cara dos coxa, o importante é alimentar seu ódio assassino. eu quero saber é do devido processo legal, por que ele não pode simplesmente ser acusado e responder em liberdade? linchamento é o discurso do coxa.

robs-bawm • 2 anos atrás

Deixa ver se eu entendi... O Eike vai lá e dá um depoimento "espontâneo", e os caras já vão correndo pra prender o sujeito?!?! É ASSIM TÃO FÁCIL?? Não tem investigação após o depoimento, não tem nem um chamado pra depor, é prisão temporária direto?
É por isso q o Cunha e sua mulher já estão presos e incomunicáveis já tem 1 ano né?! NÃO, PERA...

Miguel Silva • 2 anos atrás

Tenho dito que esse espetáculo é um cerca lourenço para atingir Lula que eles ainda não tiveram coragem de prender. Eles estão testando a reação da população. Democratas, centrais sindicais, partidos de esquerda, antigolpistas, trabalhadores em geral devem sair da letargia e ir às ruas nelas permanecer. Só a pressão popular para barrar o fascismo judiciário.

Gerson • 2 anos atrás

Na minha opinião eles vão prender o Lula na quinta-feira ou sexta-feira que vem, três dias antes das eleições.

Nara • 2 anos atrás

Enquanto isso a Zóiuda e Cunha estão rindo no sofá!Ao almoçar em um restaurante de Brasília e assistindo o jornal por lá,notei que parte do Jornal Hoje da rede golpista foi dedicada à prisão do ex ministro! Enquanto aqui milhares de professores saíram às ruas hoje e não vi nada daqui sendo transmitido por lá.Golpistas! Está escancarado! Está ficando feio!O povo está acordando!

Guest • 2 anos atrás
Julio Cesar • 2 anos atrás

Eu concordo com vc neste comentário. Mas nem por isso é menos covarde é triste o que vemos acontecer em nosso país, que foi tomado de assalto pelo grupo que sempre esteve no comando do crime silencioso.

Che • 2 anos atrás

Isso uma hora vai virar, de perseguidos a mártir, vejo isso desde 89, sempre foi assim, tivemos uma trégua, mas sempre foi assim.
Debate editado
Ex-mulher do Lula acusada de aborto
Entrevista com uma filha do Lula
A campanha eu tenho medo
Várias coisas...

Marcia Oliveira • 2 anos atrás

“Prisão de Mantega em hospital é perversidade”, diz ex-procurador-geral de São Paulo.

O ex-ministro Guido Mantega foi preso pela Polícia Federal nesta quinta-feira (22) no Hospital Alberto Einstein, em São Paulo, enquanto acompanhava a mulher em uma cirurgia. A ação faz parte da Operação Arquivo X. Para o ex-procurador-geral do Estado de São Paulo Marcio Sotelo Felippe, a prisão foi um “exercício de perversidade”.

“Ele tem residência certa, todo mundo sabe onde encontrá-lo e não há qualquer justificativa para uma prisão nessas circunstâncias. É puro exercício de perversidade, mais uma vez espetacularização do processo e mais uma vez o fascismo (a violência desmedida do Estado) tumultuando o país. Resta acrescentar que quem não sabe o que a polícia faz na periferia contra os excluídos pode ter uma boa noção por esse episódio”, escreveu Felippe em sua página do Facebook.
Os policiais já haviam estado mais cedo na casa do ex-ministro. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o empresário Eike Batista disse em depoimento ter pago US$ 2,35 milhões ao PT a pedido do ex-ministro.

Em coletiva de imprensa, os procuradores da Força-Tarefa da Lava Jato disseram que Mantega não estava dentro do centro cirúrgico ainda, mas aguardando a entrada de sua esposa. O ex-ministro encontrou a PF do lado de fora do hospital.

http://brasileiros.com.br/2...

José Carlos • 2 anos atrás

... sua opinião só faria sentido se estivéssemos tratando com homens descente, mas infelizmente não é o caso, são bandidos da pior espécie, não se pode esperar nada dessa gente, ou ficamos passivos e vamos para Auschwitz, ou nos revoltamos com em Varsóvia, gente bonita não!

Calebe • 2 anos atrás

Os canalhas nunca estiveram tão a vontade neste país, inclusive alguns postam neste espaço, ainda mais quando surgiu um juiz em Curitiba, e alguns em São Paulo, que os represente tão bem.

Bernardo Alcantara • 2 anos atrás

Lamentável mais esse espetáculo. Coisa de Stasi, Gestapo, KGB, CIA e outras. Não precisava; mesmo que sua esposa não estivesse hospitalizada ele iria se convocado. A PF não deve ser expor dessa forma aos caprichos dos procuradores e do senhor juiz; tudo tem limite e quem faz o trabalho desagradável é a policia. Os outros cinicamente lamentam pela coincidencia; mais uma dentre outras que ocorreram na lava jato e outras operações.
A propósito, o delator também havia delatado tucanos e o senador do DF; porque também eles não estão sendo chamados a depor e se expor? quem nos explica a seletividade escancarada há 3 anos? O nome que se dá a isso é fascismo.

Regina Maria • 2 anos atrás

Eu não tenho provas cabais, mas tenho forte convicção que esses escrotos sabiam que ele estaria no hospital. Isso causaria dois impactos, o primeiro monstruoso e depois a "redenção" do rejeitado moro (minúsculo tal qual ele é). PLENA CONVICÇÃO

wilson lins da silva filhol • 2 anos atrás

Mas é assim mesmo que bandidos desa natureza tem que ser tratados ,ainda vejo mtas regalias ,para os cidadãos comuns não existe esse tratamento bonzinho . Qtos presos estão trancados e doentes , esses podem ? Na hora deles roubarem o pais ,não tem pena do Brasileiro ,vcs já imaginaram esses bilhões desviados ROUBADOS por esses picaretas do PT ,estivesse sendo gasto em Hospitais ,escolas ,etc. Não podemos ter pena de quem rouba dinheiro do povo . Luladrão tem que ser preso com toda sua corja

rudo • 2 anos atrás

Moro é um ANIMAL. COM RAIVA

daniel dourado • 2 anos atrás

Bom texto, mas há um lapso. “in dubio, pro reu” só se aplica a réus.

rudo • 2 anos atrás

Moro é um ANIMAL. Só isto.

wanderley • 2 anos atrás

Desuhumano são 12 milhcde desempregados, são os hospitais com maçãs nos corredores, engraçado o pobre morre nos corredores e vcs do PT querendo ser presos na hora que quiserem, cadeia em todos os ladrões.

willams will • 2 anos atrás

Bem, eu vou fazer a minha parte! Vou as ruas e já estou saindo porque paramos a empresa! E já fiz os cartazes e vamos lá! Quanto ao Moro, esse canalha bandido togado, vamos expulsar a corja de corruptos vendidos da Justiça deste país! Vamos as ruas minha gente! Vamos gritar fora Moro! Fora Gilmar Mendes! Fora o Poder Judiciário Corrupto que impera no Brasil! Fora o Congresso Corrupto! Eleições amplas para todos! Vamos colocar esse Congresso de Ladrões e essa quadrilha togada para longe de nossas Instituições de justiça e Democráticas !

JOHN J. • 2 anos atrás

ONDE ESTAVAM OS PROBOS HOMENS DA TRUPE DA LAVAJATO:
• Quem é o garoto prodígio da patifaria na política brasileira?
http://nailharga.blogspot.c...
Aécio: https://www.youtube.com/wat... -- Youssef
Aécio: https://www.youtube.com/wat... –- Fernando Moura
Aécio: https://www.youtube.com/wat... -- Boechat
Aécio: https://www.youtube.com/wat... -- Ceará
Aécio: https://www.youtube.com/wat... – Lucas Gomes Arcanjo
Aécio: https://www.facebook.com/Fa... -- HSBC
PAI DE AÉCIO: http://www.viomundo.com.br/...

JOHN J. • 2 anos atrás

QUEM FOI PRESO NO ESCABROSO CASO DE ROUBO DE DINHEIRO PUBLICO DE FURNAS, PELOS ELEMENTOS DO GOVERNO DE FHC QUE CONSTAM NA LISTA DE FURNAS?
http://brasil.elpais.com/br...

QUEM FOI PRESO NOS FAMOSOS ROUBOS DO TRENSALÃO DO METRÔ E DA CPTM DO GOVERNO DO ESTADO DE SP ,DO TUCANO GERALDO ALCKIMN?
http://brasil.elpais.com/br...
EM QUAL PRESÍDIO ESTÁ ENGAIOLADO O TUCANO ""ROBSON MARINHO"", LADRÃO FRAGRADO ROUBANDO NO TRIBUNAL DE CONTAS TUCANO DO ESTADO DE SÃO PAULO, GOVERNADO PELO TUCANO GERALDO ALCKMIN?
https://i2.wp.com/www.conve...
Em qual presídio está preso o ROBSON MARINHO, LADRÃO DO TCE TUCANO DO ALCKMIN?
Em qual presídio está preso o tucano mineiro, AZEREDO, criador e pai dos mensalões?
Em qual presídio está preso o tucano CAPEZ, ladrão de merenda do governo do ALCKMIN?
Onde estão os presos da PRIVATARIA TUCANA, do ROUBANEL, do TRENSALÃO, do METROLÃO, do ESCÂNDALO BANESTADO, do ESCÂNDALO HSBC, do ESCÂNDALO MARGINAL DO TIETÊ, etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc... etc...
A QUADRILHA TUCANALHA QUE TEM ELEMENTOS INFILTRADOS NAS POLÍCIAS CIVIL, MILITAR E FEDERAL, NOS M.P. ESTADUAIS E FEDERAL, NUNCA, NUNCA, NUNCA VAI TER UM SÓ ELEMENTO PRESO POR MAIOR QUE SEJAM AS FALCATRUAS E ROUBOS QUE ELES POSSAM FAZER, E COMO O MUNDO INTERIO JÁ SABE, POR ISSO NENHUM ELEMENTO DA QUADRILHA TUCANALHA É PUNIDO.
BANDIDOS DE TOGA: https://www.youtube.com/wat...
.
ONDE ESTAVAM OS HOMENS DA TRUPE DO MORO QUANDO TUDO ISSO ACONTECEU?

Gabriel Braga • 2 anos atrás

Realmente passaram de qualquer limite.

Qual a razão de prender Mantega se ele atendeu a justiça quando foi convocado a depor?Qual o risco que ele em liberdade oferecia à ordem pública?

Arestides Fronza • 2 anos atrás

Realmente viramos um bando de covardes, frouxos e bundões...

Paula Lacerda • 2 anos atrás

Graças à ingenuidade, burrice, ou, traição, do PTucano da Dilma, Zé "Dantas" CardoZo, o Brasil virou uma DITADURA da PolíCIA Federal, comandada pelo INQUISITOR "made in U$A", Eliot Moro !!!
Tudo isto com a bênção do $TF, que virou um Supremo TUCANATO Federal ...
Tudo isto com a bênção dos golpistas corruptos e entreguistas do P$DB, dos traidores do PMDB e dos seus aliados ...
Voltamos à Idade Média !!!
GREVE GERAL JÁ !!!
ELEIÇÕES GERAIS JÁ !!! inclusive para o JUDICIÁRIO !!!

judith godinho lopes • 2 anos atrás

Entrar num centro cirúrgico, imagina o pânico! Nem Kafka imaginou isto, nem na ditadura militar acredito que aconteceu. O brasil vive o nazismo, os judeus daquele tempo são os petistas de agora. E nós sabemos como termina esta história.

Sebastião • 2 anos atrás

Onde não existe o respeito deve prevalecer o medo. Os países hoje considerados grandes democracias nasceram de guerras civis. Essas ditas autoridades desrespeitam a lei porque não tem medo do que lhes pode acontecer. Por isso, que tem coisas na vida que só são resolvidas à bala. Aí, sim. O medo é maior que o respeito!

GFS • 2 anos atrás

Bem falou há pouco a Querida S2, que venha a greve geral, e eleições no judiciário, reação nas ruas, reformas populares, não as contra-reformas golpistas e muito mais; parece cada vez mais que só na base da violência e da força bruta os golpistas bandidos deixarão de agirem impune e criminosamente. Morionete e seus comparsas mais parecem aqueles sujeitos com um bonequinho com uma estrelinha do PT que fica o espetando com uma agulha raivosa e incessantemente; prender Lula e qualquer petista se tornou a obsessão, o propósito da vida deles, até os golpistas que os comandam mandarem encerrar a Lava Parcialmente à jato.
Fora de pauta, novamente deixo uma matéria da revista Fórum e outra do GGN.

Levantamento da Agência Pública mostra que raramente juízes são condenados

Jornal GGN - Uma exame da lista de juízes e desembargadores investigados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), feito pela Agência Pública, mostra que, mesmo quando a acusação é de venda de sentença, o caso nem sempre segue para a Justiça criminal e a pena se reduz à aposentadoria. A reportagem teve acesso aos nomes de jupizes e desembargadores alvos do Conselho nos últimos anos e verificou que a maioria teve esse destino. Quando não, ainda aguarda recursos no Supremo Tribunal Federal.

Por Vinícius Assis

Quem julga o juiz?

Na Agência Pública

“Podemos dizer que, em um universo de mais de 16 mil juízes, os casos de condenação criminal são raros, o que demonstra que, em sua imensa maioria, os juízes brasileiros são pessoas sérias e comprometidas com a função constitucional que desempenham”, diz o presidente da Associação dos Juízes Federais de São Paulo e Mato Grosso (Ajufesp), Fernando Marcelo Mendes.

A recente condenação a seis anos de prisão da juíza federal Maria de Luca Barongeno, da 23a Vara Cível de São Paulo, em agosto passado, é citada por ele como exemplo de que “não há qualquer tipo de imunidade aos juízes que, como qualquer cidadão, respondem penalmente por atos que praticarem e que forem considerados crimes”.

No entanto, frisa o magistrado, cabe recurso e, portanto, “não é possível se fazer qualquer valoração quanto à responsabilidade dos fatos que estão sendo apurados” [nesse caso]. A ação tramita sob sigilo no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP-MS) e, de acordo com o advogado da juíza, Alberto Zacharias Toron, ela vai recorrer: “Nós já opusemos embargos declaratórios”, adiantou.

Há outros motivos para que os juízes raramente sejam processados além da citada integridade. A maioria das irregularidades cometidas por juízes no exercício de suas funções é investigada e punida no âmbito do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o órgão fiscalizador. São processos administrativos, não criminais, e, mesmo quando as denúncias se referem a crimes graves, como a venda de sentenças, a punição máxima que o CNJ pode aplicar é a aposentadoria compulsória.

“A aposentadoria com vencimentos como punição máxima não é algo adequado numa democracia. E já tem essa discussão no Supremo”, diz Ivar Hartmann, professor de Direito Constitucional e Direito de Tecnologia da Fundação Getulio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro. “Só o Supremo Tribunal Federal [STF] está acima do CNJ. Portanto, é a única via de recurso”, afirma o professor.

Hartmann explica que os Tribunais de Justiça e os Tribunais Regionais Federais têm o poder de abrir processos criminais contra magistrados (que podem terminar condenados à prisão) desde que denunciados pelo Ministério Público (MP) após inquérito policial. O MP também pode mover uma ação contra um magistrado julgado pelo CNJ sempre que considerar que o caso merece pena maior, mas isso não é obrigatório. Por outro lado, o CNJ pode abrir uma nova ação contra algum magistrado julgado pelas corregedorias locais se não concordar com a decisão final. “É positivo que as investigações e processos disciplinares ocorram paralelamente, que não sejam limitados a um só órgão. Quanto mais órgãos competentes para investigação existirem, melhor”, diz o professor da FGV.

A Pública teve acesso à lista dos 72 magistrados punidos pelo CNJ desde 2005, quando o Conselho começou a atuar. Os nomes obtidos pela reportagem foram confirmados pelo órgão. Foram 50 juízes e 22 desembargadores punidos, de um total de 101 investigações abertas pelo CNJ, chamadas formalmente de Procedimentos Administrativos Disciplinares (PADs). Entre esses 72 magistrados, 46 foram aposentados compulsoriamente. Em termos regionais, o Mato Grosso foi o estado que mais teve magistrados punidos: 11. Em relação ao período, 2010 foi o ano em que o CNJ mais puniu magistrados: 22 (em seis estados).

“É importante destacar que processar um juiz é mesmo algo complicado, de acordo com o nosso sistema legal, porque eles recorrem ao STF e muitas vezes nossas decisões monocráticas ou colegiadas do CNJ são revogadas até monocraticamente em medida cautelar”, disse a ministra Nancy Andrighi, que, após um mandato de dois anos como corregedora do CNJ, acaba de reassumir seu cargo na Terceira Turma do STJ.

Segundo a assessoria do STF, porém, 38 aposentados compulsoriamente pelo CNJ entraram com recursos no STF desde 2005. A grande maioria – 36 – não conseguiu reverter a situação.

Investigados de norte a sul

Qualquer cidadão pode encaminhar uma reclamação contra um magistrado ao CNJ, mas nem todas as sindicâncias se tornam Procedimentos Administrativos Disciplinares (PAD). Primeiro, o corregedor nacional de Justiça precisa convencer o plenário de que é necessário investigar o caso mais profundamente, garantindo, inclusive, o amplo direito de o magistrado se defender. Aprovado pela maioria, o PAD é aberto e pode terminar com a punição do investigado ou não.

“Nossa atuação não consiste apenas em punir, mas verificar in loco o que está acontecendo e orientar a busca da solução. Quando inicio a apuração de alguma conduta aparentemente irregular de magistrado, sempre decreto o sigilo porque procuro tratar tudo com muito cuidado. A honra das pessoas deve ser resguardada, e a honra de um juiz ainda mais por ser ele o guardião da Justiça na sua comarca”, diz a ministra Nancy Andrighi.

Tanta cautela resulta em longos processos para o CNJ afastar definitivamente o juiz. A Pública teve acesso a um PAD acolhido por unanimidade pelos conselheiros em junho deste ano que investiga o desembargador Amado Cilton Rosa, do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO). Acusado de venda de liminares de habeas corpus em uma ação penal originada em uma investigação da Polícia Federal (PF) sobre corrupção na Justiça de Tocantins em 2010, ele foi afastado do cargo no ano seguinte pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). O CNJ, por sua vez, já havia instaurado uma sindicância sobre o caso em abril de 2011. Só agora, porém, com a autorização da abertura do PAD pelo plenário do CNJ, ele poderá ser aposentado compulsoriamente, mesmo que seja absolvido na Justiça criminal.

De acordo com as informações do PAD, as liminares seriam negociadas no gabinete do desembargador, com a participação da esposa dele, que trabalhava no TJTO como técnica judiciária. Ela foi afastada em junho de 2011 pelo STJ. Cada liminar custaria em média R$ 50 mil. O CNJ espera comprovar, como apontam as investigações, que esse teria sido o valor pago – em duas parcelas – pelo habeas corpus (HC 4986/TO) que beneficiou Fábio Pisoni, acusado de ter assassinado o estudante Vinícius Duarte de Oliveira, em 8 de dezembro de 2007, no município de Gurupi, a quase 250 km de Palmas. O habeas corpus teria sido negociado 11 dias após o crime, mas acabou derrubado pelo pleno do TJTO por 3 votos a 2.

O CNJ investiga também se o desembargador negociou com o mesmo advogado habeas corpus para dois presos, estes por tráfico de drogas, em 2011. A assessoria do TJTO disse que o tribunal não se manifesta sobre processos em andamento e não informou o contato do desembargador. A Pública não conseguiu localizá-lo.

http://jornalggn.com.br/not...

Denúncia aponta que USP cogita começar a cobrar mensalidade; Reitoria nega

O documento aponta que a gestão atual da Universidade de São Paulo está realizando realizando uma parceria com a empresa internacional de consultoria McKinsey&Company para “criar um novo modelo de captação de recursos e gestão de orçamento para a universidade”. A reitoria assumiu as reuniões, mas nega que haja conversas sobre o aumento de mensalidade

Por Victor Labaki

Uma denúncia feita de forma anônima para a ADUSP (Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo) revelou um plano até então sigiloso da atual reitoria da USP, sob a gestão de Marco Antônio Zago. O documento apresentado diz que a universidade estaria realizando uma parceria com a empresa internacional de consultoria McKinsey&Company para “criar um novo modelo de captação de recursos e gestão de orçamento para a universidade”.

Através de um “Termo de Doação de Serviços” a empresa apresentou um plano de 20 de semanas de trabalho em que estaria se discutindo, entre outras coisas, uma “possível mudança de legislação, bem como uma possível cobrança de mensalidade em cursos oferecidos pela USP”. A denúncia ainda aponta que já foram realizadas reuniões entre representantes da McKinsey e da USP.

“Pela magnitude, complexidade e grau de desenvolvimento do projeto em questão, entendemos que se trata de tema de interesse não apenas de toda a comunidade USP, mas de todo cidadão, cabendo à Reitoria agir com transparência e com o devido respaldo de seus órgãos colegiados”, diz o texto da denúncia.

Depois da divulgação do conteúdo da denúncia, a reitoria da USP assumiu por meio de uma nota que está se reunindo com a empresa para desenvolver o projeto chamado de “USP do Futuro”. No texto eles explicam que os custos desse projeto estão sendo pagos por ex-alunos da Universidade.

“O acordo de cooperação e outros documentos foram assinados pela USP e demais participantes seguindo a tramitação de rotina e com a aprovação dos órgãos competentes da Universidade”, diz o texto.

Eles assumem, inclusive, que o projeto foi apresentado ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), no dia 5 de setembro.

“O programa está em sua etapa inicial de diagnóstico, que envolve entrevistas com gestores, dirigentes, ex-alunos, entre outros representantes da Universidade. À medida que se desenvolva, está prevista a ampliação do espectro de colaboradores e participantes. Nesse contexto, a iniciativa também foi apresentada ao governador Geraldo Alckmin, em audiência realizada no dia 5 de setembro”.

No entanto, o texto elaborado pela reitoria da USP chama de “boato” o possível aumento de mensalidade e que a referência é “descabida”.

“A USP esclarece, ainda, que não tem qualquer fundamento o boato de que o projeto inclua a cobrança de mensalidades nos cursos. A referência é descabida, já que esta é uma matéria regida pela Constituição Federal”, completam.

Para o ex-presidente da ADUSP e membro do conselho jurídico da associação, professor Ciro Correia, a resposta da reitoria não se posiciona contra a cobrança de mensalidade.

“A nota da reitoria indica nessa direção porque ela não diz que ela é contra a cobrança de mensalidade e que de fato a gratuidade é importante para garantir o acesso ao ensino. Ela diz que ela não está fazendo porque não é compatível com a constituição”, disse.

Para ele, a nota da reitoria só esclarece de fato que a atual gestão vinha realizando reuniões sem o conhecimento da comunidade acadêmica.

“O que eu acho que é importante destacar a partir da nota que ela publicou e mandou para todos os docentes é de que ela está tentando encobertar que efetivamente vinha fazendo essa movimentação toda de forma sigilosa”, afirmou.

A partir da denúncia, a ADUSP redigiu um documento exigindo respostas por parte da reitoria sobre o conteúdo dessas conversas com a empresa McKinsey. Até agora a associação não obteve nenhuma resposta.

http://www.revistaforum.com...