Não foi possível carregar o Disqus. Se é um moderador, por favor leia o nosso guia de resolução de problemas.

Santos Silva • há 4 anos

LOL! Isto é um guião trágico-cómico, acho que desta vez nem a cega nem o cigano conseguem ajudar!

sila • há 4 anos

Brevemente num cinema a pé de si: " Portugal e um saco de lacraus: costafiasco,ps,cdu e be!"

sila • há 4 anos

Eu é que sou fino!!!! ( diz o costa fiasco)
Eu sou o dono disto tudo, mais, o ps é o dono disto tudo!!!!
Quem se meter com o ps leva! ( dizia o coelhone)

Antonio • há 4 anos

Costa continua a ser um náufrago em águas revoltas, à bordo de uma balsa salva vidas, da marca PC/BE/PEV e rodeado de vorazes tubarões ávidos de o devorar. Os tubarões Cavaco, Passos e Portas nadam à superfície e exibem as mandíbulas abertas com enormes dentes afiados. Submersos e igualmente vorazes nadam à volta da balsa, vários tubarões da espécie Seguro também eles prontos para o abocanhar. Costa não sabe mas a balsa é " made in PRC" e perde ar.

Nuno Flores • há 4 anos

A revisão do cenário macroeconómico é de rir, para não começarmos já a chorar. Estão totalmente loucos/cegos.
Em Dezembro de 2016 será interessante fazer a comparação entre a utopia atirada à parede e a realidade.

Nuno Flores • há 4 anos

De 2015 para 2016, a receita total e a despesa caem 0,9% do PIB, e por milagre a divida publica cai uns impressionantes 4,3% do PIB, passando de 128,2% para 123,9%, do PIB, num ano.
O Costa e o Ceteno devem ter conversado com alguém que fez o milagre da multiplicação dos Euros (não pães).

LUSITANO • há 4 anos

Meu caro Nuno Flores, Não estão os cofres do ministério cheios de Dívida? Por outras palavras... A tal almofada de que o sr Anibal tanto falava, não é precisamente constituida pelo dinheiro que o anterio Governo reuniu para se pagar a dívida. Mas que em vez ter servido para saldar a dívida, o Governo amealhou para vir depois dizer que tinha os cofres cheios e que deixava uma grande almofada para qualquer eventualidade?

Domingos Freitas • há 4 anos

Na revisão do cenário está em percentagem do PIB, não em valores, logo é
possível a redução/aumento da dívida pública em percentagem do PIB
mesmo sem pagar/pedir um tostão, tudo depende do aumento/diminuição do
PIB

Nuno Flores • há 4 anos

Nem 5 bons anos de crescimento do PIB seriam suficientes.
Por esta razão é que tudo está em % do PIB.
Quando correr mal, e lamentavelmente só pode correr mal, a culpa será do PIB e as percentagens são menos objetivas e percetíveis..

Calma malta... • há 4 anos

Segundo o cenário do Centeno no programa eleitoral do PS, portanto a versão antes da bimbi... já era suportado pelo crescimento da economia de 4%... para compensar as medidas que iriam tomar e conseguirem tapar os buracos das TSUs, devoluções, etc... na versão bimbi ainda deve ser preciso crescer mais... uma economia como a nossa, dependente do exterior... é quase impossível, pois a europa e a maior parte do mundo esta novamente em recessão... ou são incompetentes, ou mágicos ou aldrabões.... vamos ver...

Nuno Flores • há 4 anos

Mesmo com um crescimento do PIB de 1,5% ao ano, é impossível acomodar a reposição das despesas com pessoal. (ponto)

AntiLib (Ex. Eu) • há 4 anos

Mostre-nos as contas.

Nuno Flores • há 4 anos

Olhando para o utópico programa que é uma mão cheia de ideias vãs e não concretizáveis (algumas até implicam revisão da Constituição), deteta-se no quadro orçamenta que aparece no final o seguinte:
Apenas aparecem percentagens do PIB de fiabilidade muito duvidosa.
Mantêm-se de 2015 para 2016 a despesa com pessoal (os funcionários públicos) e reduzem-se de 2015 para 2016 0,6% nas prestações sociais.
Por milagre reduz-se a receita 0,9%, aumentam-se as despesas de capital e consegue-se reduzir o deficit de 3,0% para 2,8%.

Vasco Abreu • há 4 anos

Miserável!